quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Ano novo

Depois da chamada que eu levei na conversa mais tensa da história da minha terapia, comecei a pensar no ano novo. Sabe aquele papo clichê de arrumar a vida, pagar as contas, dar faxina nos armários, jogar coisas fora e fazer uma lista de resoluções para o próximo ano? É, pois é. Pela primeira vez na vida (que eu me lembre) estou empenhada na "reconfiguração" da minha humilde existência.

Ao contrário das típicas metas de conseguir emagrecer, parar de fumar, mudar de trabalho ou estudar para algum concurso, no meu caso, a reforma é de dentro pra fora. Preciso arrumar a minha personalidade, fazer uns reparos, mudar alguns comportamentos. Aceito sugestões na busca das seguintes metas:

* Curso de maldade
Onde eu aprendi a ser tão boazinha? Sabe aquela comunidade no orkut "bonzinho só se fode"? A minha foto poderia ser capa. Eu sou a personificação da não-ação. Difícil e triste assumir isso, mas eu simplismente acabo deixando todo mundo passar por cima de mim e das minhas vontades. A resolução é: aprender a se posicionar, ser firme. Dizer o que quer, o que pensa e exigir respeito. Aprender a dizer não. Essa é a primeira resolução e, na minha opinião, a mais desafiadora.

* Ioga
Essa meta é parte de uma maior, de cultivar a minha espiritualidade. Talvez eu não faça ioga de verdade, mas comece a meditar, refletir. Arrumar tempo para organizar meus pensamentos. A ioga parece um método interessante. Preciso cultivar a mim mesma, me entender, buscar o auto-conhecimento que me faz tanta falta. Viajar na minha personalidade em busca de uma alma mais leve, menos ansiosa e mais serena.

* Amor
Eu quero sentimento profundo, com todas as implicações que vêm com ele, tipo dor e sofrimento. É pra ocupar o coração mesmo, fazer bater mais forte, disparar. E isso não é apenas a minha eterna busca por um namorado. É a busca por amor, simples assim. Amizade intensa, consideração, companheirismo, elogios, presença.

* Desistir de procurar um namorado
Depois de tantas tentativas, eu quero desistir. Parar de me preocupar com isso. Colocar essa meta lá no fundo das prioridades; o que não contradiz a resolução acima, amor eu continuarei procurando.

*Aprender a ser amiga da solidão
Eu realmente admiro quem consiga pronunciar essa palavra de forma tão tranqüila. Só de pensar nela vem uma corrosão por dentro e uma avalanche de lágrimas prontas para escapulirem. Enfim, já que é a minha realidade, tenho que me acostumar a ela. O que não quer dizer acomodar ou gostar dela, nem tanto. Lidar com ela. Não me desesperar cada vez que penso que sou sozinha nem acreditar que eu vou ser pra sempre.

São tantas coisas tão profundas. A boa notícia é que eu sei por onde começar. Em breve falarei sobre as táticas concretas na busca desses objetivos. E aceito sugestões.

3 comentários:

isa. disse...

Ixiii...pelo que vi você escreveu isso antes da gnt conversar!

Quanto a ser má, conte comigo, posso te ajudar! shua hhHehheeHsua(risada maligna. Se depender de mim você será mais ruim do que a Flora, Bush e Bin Laden juntos! Diretim pro inferno!


;)

marília disse...

Procura o amor, mas aproveita muito enquanto ele não vem. De verdade! Eu sei que você acha que já aproveitou o bastante, mas ainda da pra curtir mais um pouquinho! huehe Amor é bom, mas às vezes dói. E por mais que vc fale que tá a procura da dor e do sofrimento de amor tb.. Aproveita enquanto eles não chegam. Porque chegam ¬¬ ahuehaeuh Quanto a maldade, eu deixo pra Isaura te ensinar msm. Eu só aconselho, praticar é outra história! hauehuaea Ah, se vc andasse de ônibus saberia que esse é o melhor momento pra meditar! kkkkkk

zé disse...

minha sugestão vc já sabe.agora é só vc tomar coragem. vou te emprestar um livro, me lembre disso.